Agência de Inovação Tecnológica

Agência de Inovação Tecnológica

Fármacos

COMPOSTOS CUMARÍNICOS E SEUS USOS COMO ADJUVANTES DE ANTIBIÓTICOS

Permite o uso de derivados cumarínicos com promissora ação modificadora da atividade antibiótica, podendo ser utilizados na terapêutica, para uso humano ou veterinário, como adjuvantes de antibióticos.

A patente apresenta ação potencializadora da atividade antibiótica permitindo o contínuo efeito dos antibióticos para tratar infecções bacterianas já resistentes aos antibióticos tradicionais.

A tecnologia está depositada no INPI sob solicitação de Carta Patente com Protocolo de nº BR 10 2013 027256 6 A2.

COMPOSTOS DERIVADOS CICLOALQUIL [B] TIOFENO E SEUS USOS COMO AGENTES ANTI-CANCER

Tecnologia diz respeito a novos compostos de derivados Tiofenos a serem utilizados na saúde humana ou animal para fins de tratamento, profilaxia paliativa ou diagnóstico do câncer.

Exemplos específicos de tipos de tumores que os compostos podem ser utilizados para o tratamento, incluem: sarcoma, carcinoma, glioblastoma e leucemia.

A tecnologia está depositada no INPI sob solicitação de Carta Patente com Protocolo de nº BR 10 2013 031956 2 A2.

COMPOSTOS CUMARÍNICOS E SEU USO COMO AGENTE ANTI-MICOBACTERINOS DESTINADOS AO USO HUMANO E/OU ANIMAL

Diz respeito a compostos químicos, da classe das cumarinas, que possuem promissora atividade antimicobacteriana, podendo portanto ser utilizado para fins de tratamento, profilaxia e paliativa da tuberculose e outras infecções causadas por bactérias do gênero Micobacterium em animais ou seres humanos.

A tecnologia está depositada no INPI sob solicitação de Carta Patente com Protocolo de nº BR 10 2014 012372 5 A2.

COMPOSTOS DE DERIVADOS COMPLEXOS METÁLICOS DE ESTANHO (IV) COMO AGENTES ADJUVANTES DA ATIVIDADE ANTIBIÓTICA POR AÇÃO MODULADORA DE BOMBA DE EFLUXO

Trata-se de uma nova opção de moléculas (compostos químicos), que podem se tornar medicamentos, capazes de modificar a atividade antibiótica, agindo como compostos adjuvantes de antibióticos, ou seja, capazes de melhorar a ação de antibióticos frente a microorganismos que veem se mostrado resistentes ou multirresistentes quando administrados em associação.

A tecnologia está depositada no INPI sob solicitação de Carta Patente com Protocolo de nº BR 10 2016 025418 3 A2.

FORMULAÇÃO FARMACÊUTICA CONTENDO DIETILCARBAMAZINA PARA USO NA PROFILAXIA E NO TRATAMENTO DE DOENÇAS INFLAMATÓRIAS HUMANAS E VETERINÁRIAS

A presente invenção refere-se ao uso de formulações farmacêuticas e/ou veterinárias contendo dietilcarbamazina (DEC) para uso com fins terapêutico para tratamento ou profilaxia de patologias inflamatórias agudas ou crônicas em humanos e/ou animais.

Esta invenção se mostra como uma possibilidade adicional para o tratamento ou profilaxia de doenças inflamatórias em especial as doenças crônicas, onde os medicamentos atualmente disponíveis não se mostram eficazes, mesmos após vários anos de uso.

A tecnologia está depositada no INPI sob solicitação de Carta Patente com Protocolo de nº BR 10 2017 002700 7 A2.